O que fazemos

A ECD oferece a acolhimento institucional conjunto de mulheres e seus filhos  (mães adultas e mães adolescentes) em situação de violência e vulnerabilidade. O processo de acolhimento garanta os direitos específicos de cada uma delas da seguinte forma: 

 

RECEBER 

ACOLHIMENTO

 

Se dá com a chegada da família a instituição. A partir do motivo de acolhimento deverá ser levantado o histórico social, bem como estabelecer o contato com a rede sócio-assistencial do local de origem da família acolhida para alinhamento do histórico, levantamento das demandas e coparticipação da rede no planejamento de trabalho. O tempo previsto para o cumprimento desta etapa é de aproximadamente 3 semanas. 

  

Anteriormente ao acolhimento, o contato feito através da Central de Acolhimento solicitando a vaga, deve ser averiguado, através de relatório ou descrição do motivo do acolhimento de quem está encaminhando (CREAS, CRAS, CT). 

  

O primeiro contato com Assistente Social onde será feita a entrevista com a acolhida e colhido, no primeiro momento, o histórico social e documentações. Posteriormente, a acolhida será conduzirá para que, através da Educadora Social receba orientações quanto à convivência e dinâmica geral no ambiente do acolhimento. O serviço de Psicologia mapeará o estado emocional da acolhida no ingresso à instituição, assim como a rede de vínculos afetivos existentes e possíveis, seu contexto familiar e social, a percepção que a acolhida tem de si mesma e de sua história de vida. 

 

PLANEJAR 

PLANO DE TRABALHO 

Será elaborado o PIFA – Plano Individual e Familiar de Atendimento, através da equipe técnica juntamente com a mãe acolhida, atendendo as especificidades de cada aérea da equipe multidisciplinar. O tempo previsto para o cumprimento desta etapa é de aproximadamente 8 semanas. 

  

Durante todo o período de acolhimento, deverá ser feito o Check List de todos os encaminhamentos realizados, bem como o preenchimento de todos os encaminhamentos, atualizado com todos as informações repassadas pela equipe de Educadoras, além das observações a respeito das visitas dos finais de semana. 

 

AVALIAR 

AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS 

Nesta etapa, ao completarem 8 semanas do início do plano de trabalho, deverá ser apresentado a avaliação dos resultados alcançados para que seja possibilitado as próximas ações. Será considerado para a avaliação a adesão da acolhida aos encaminhamentos do Serviço Social, propostas da Pedagogia e objetivos da Psicologia. 

  

No caso de resultados não satisfatórios, a equipe decidirá se é necessário mais tempo para a continuidade do plano de trabalho ou solicitar a participação da rede de serviço, para junto com a equipe da instituição articular novos encaminhamentos. Ainda será possível após avaliação em casos pontuais, que se façam necessário a intervenção de autoridade judiciária, que será requerido através do Serviço Social, com envio de relatório circunstanciado elaborado pela equipe técnica. 

 

PREPARAR 

PREPARAÇÃO GRADATIVA PARA O DESLIGAMENTO 

Nesta etapa, quando o plano de trabalho obtiver resultados positivos, deverá ser elaborado pela equipe técnica o planejamento gradativo para o desligamento que deverá levar em consideração os indicadores, como: fortalecimento do vínculo com a família fora da instituição, estabilidade emocional da mãe em relação a interação e convívio com seu(s) filho(s), e sua capacidade de garantir a proteção efetiva à eles, inserção em planos de auxílio do governo, solicitação ao Poder Judiciário para a determinação do retorno familiar, com o devido deferimento, emprego estável e renda compatível com o sustento da família, entre outros. 

  

O tempo previsto para o cumprimento desta etapa é de aproximadamente 6 semanas.