acolhimento conjunto

Se dá com a chegada da família a instituição. A partir do motivo de acolhimento deverá ser levantado o histórico social, bem como estabelecer o contato com a rede sócio-assistencial do local de origem da família acolhida para alinhamento do histórico, levantamento das demandas e coparticipação da rede no planejamento de trabalho. O tempo previsto para o cumprimento desta etapa é de aproximadamente 3 semanas. 

Será elaborado o PIFA – Plano Individual e Familiar de Atendimento, através da equipe técnica juntamente com a mãe acolhida, atendendo as especificidades de cada aérea da equipe multidisciplinar. O tempo previsto para o cumprimento desta etapa é de aproximadamente 8 semanas. 

Nesta etapa, ao completarem 8 semanas do início do plano de trabalho, deverá ser apresentado a avaliação dos resultados alcançados para que seja possibilitado as próximas ações. Será considerado para a avaliação a adesão da acolhida aos encaminhamentos do Serviço Social, propostas da Pedagogia e objetivos da Psicologia. 

Nesta etapa, quando o plano de trabalho obtiver resultados positivos, deverá ser elaborado pela equipe técnica o planejamento gradativo para o desligamento que deverá levar em consideração os indicadores, como: fortalecimento do vínculo com a família fora da instituição, estabilidade emocional da mãe em relação a interação e convívio com seu(s) filho(s), sustento da família, entre outros. 

 

depoimentos

“Primeiro, o acolhimento mostrou para mim o quanto meu filho, Leonardo, é importante na minha vida. Por que eu não tinha tanto cuidado com ele, a necessidade de cuidar dele. Também sou extremamente grata pelas educadoras, porque elas me ensinaram como eu deveria educar meu filho, me orientaram onde eu estava errando com ele e me mostrando a direção correta. Agradeço toda a equipe técnica, Regina, Berenice, Andreia e Eliane por ter me mostrado a direção que eu tinha que seguir. Agora estou aqui feliz, porque estou indo embora para minha casinha. Esperei 8 meses porque fiz o possível para minha saída ser saudável. Eu poderia ter saído há duas semanas, mas esperei sair a vaga da escola integral do Leonardo, e por Deus, para mim foi um milagre o que aconteceu. Hoje, 08 de março de 2017, saiu a vaga do Leonardo."

 

Janaina Lidiane dos Santos, ex-acolhida do Serviço de Acolhimento da ECD

"Nem tudo foi ruim. Aprendi muito, vi e ouvi muitas histórias também... É preciso juntar forças e ter coragem para enfrentar. Vivi cinco anos em situação de violência, acredito que é normal ter pressa em querer retomar a vida, mas concordo que é preciso responsabilidade por esse motivo. Por esse motivo esperei o fim do feriado tranquilamente [para o desacolhimento]. Tenho gratidão ao abrigo por ter nos acolhido em um momento de extrema necessidade, gratidão as educadoras, gratidão a Deus e a vida por ter tido a oportunidade de poder recomeçar. Não foi fácil, não é e não será. Mas agora vou caminhar com minhas próprias pernas e estou muito orgulhosa disso!
Há mulheres lá fora que precisam mais dessa vaga aqui do que eu neste momento."

 

Karina, ex-acolhida do Serviço de Acolhimento da ECD

"Bom, o acolhimento para mim foi... Algo que aconteceu no tempo certo! Eu estava sendo uma pessoa não muito cuidadosa com meu filho, estava colocando em risco a minha união com ele. Mas, o acolhimento mostrou pra mim que eu era capaz de ser uma pessoa melhor, tanto para mim quanto para o meu filho. Eu não achava que tinha toda essa capacidade de cuidado com o meu filho como eu tenho hoje! Agradeço a todas as educadoras e equipe técnica que me ajudaram nesse processo. Se não fosse por todas essas pessoas, hoje eu não estaria junto com meu filho. Em meu nome e no nome do meu filho, que amo muito, agradeço por cada dia nesse lugar."

Bruna M. Vieira, ex-acolhida do Serviço de Acolhimento da ECD

 
 

nos siga nas redes!